Wish list: bolsas minimalistas de couro de Laura Pereira

Designer catarinense cria peças duráveis, com design atemporal e cool

Publicado em 23/02/2018
mochilas de couro Laura Pereira

Comprar bolsas em fast fashion é uma faca de dois gumes. Quantas vezes você se apaixonou por uma bolsa do Tumblr ou Pinterest, pagou um preço barato pelo acessório, porém, meses depois, a peça começou a se desfazer? Em muitos casos, é preciso dar um fim ao objeto, mesmo cultivando aquele carinho e sabendo que não será mais possível encontrar outro igual. Uma experiência frustrante em todos os aspectos.

Pensando na durabilidade dos acessórios femininos, a designer catarinense Laura Pereira desenvolveu uma linha de bolsas de viagem e para o dia a dia: mochilas, pochetes e bolsa de laptop com design atemporal. Os acessórios têm aquela estética saudosista, do tempo da vovó, aliados às linhas e cores minimalistas, uma tendência que veio para ficar.  

Nascida de uma família muito envolvida no mundo da moda, Laura inicialmente "rejeitou" a profissão, embarcando no mundo do design gráfico. "Tinha uma avó que era costureira. A minha família inteira tem alguma influência no ramo, por isso estava dentro de mim de alguma forma."

Paralelamente ao seu trabalho, começou a produzir acessórios para o seu uso pessoal. Entretanto, as suas peças acabaram cativando os colegas. Foi aí que ela percebeu uma oportunidade de negócio.

Por conta disso, iniciou uma pós-graduação em design de moda em 2009, e emendou um estágio em um laboratório de tendência em Buenos Aires. Dessa experiência, nasceu a sua marca e os primeiros produtos: uma linha de acessórios para viagem feita em tecido.

Dois anos depois, o couro apareceu na sua vida, da mesma forma que a moda a cativou. A designer sentiu a necessidade de obter uma bolsa para a sua câmera fotográfica e procurou desenvolver um modelo sem enchimento, prático, bonito e durável. "Eu adaptei uma bolsa de ferramentas com modelo retrô e deu super certo".

O modelo fez tanto sucesso, que ela precisou repensar os seus negócios com tecido. "Estava sempre com a bolsa nas feiras, e as pessoas queriam comprar. Por isso, encontrei uma fábrica de couro familiar e comecei a testar os modelos. Depois de um tempo, revendo a minha marca, precisei focar só nos acessórios de couro."

Laura acredita que ao mesmo tempo que o couro é um material nobre também é bastante controverso, em um momento em que as discussões sobre sustentabilidade e moda cruelty-free estão em alta. Porém, ela conserva uma filosofia para a criação de seus produtos.

"A gente é responsável por tudo o que acontece. Eu faço bolsa de couro, mas tenho a responsabilidade de projetar um acessório estético e funcionalmente durável. Por conta disso, não posso fazer qualquer coisa. Tenho que honrar esse material. Pessoas pagam para eu sugerir o que elas devem usar. O mínimo que elas esperam é que eu pense em todos esses aspectos", explica. 

Para chegar nos modelos atemporais, ela resgatou o design retrô, que remete aspectos emocionais do passado e que dialoga com a estética minimalista, de linhas retas e aspecto clássico.  

"O que enjoa são os detalhes excessivos. A indústria da moda trabalha dessa forma. Seis meses depois você nem consegue mais olhar para o que tem no armário", aponta. 

As bolsas são feitas com couro atanado, o mais natural possível, e possuem duas cores: preta e nude, que com o tempo se torna caramelo. Laura comercializa os seus acessórios em seu site, em feiras e multimarcas dentro e fora do Brasil. 

Economia Criativa Local

A cena de moda independente em Santa Catarina é bastante prolífera e criativa. O Sou Moda já contou as histórias das labels Amagnólia e J Boggo, ambas do mesmo estado, que vêm investindo em propostas inspiradoras. 

A fim de potencializar a visibilidade dos designers da região, além da marca de bolsas, Laura também está por trás do Nømad Mercado, em Florianópolis, juntamente com Caroline Toledano, executiva do mercado de varejo. 

O evento, que está programado para acontecer quatro vezes por ano, reúne dezenas de expositores independentes dos mais variados segmentos. "É uma feira que, além de movimentar a cena de marcas locais independentes, também tem como objetivo ajudar em seu desenvolvimento. É uma forma de criar um ambiente favorável a conexões, trocas e ao coletivo. Afinal, é aí que a mágica acontece!"

Por Mayhara Nogueira

Foto: Divulgação/Laura Pereira