Versace deixa de usar pele animal em suas coleções

Marca italiana quer fazer moda consciente

Publicado em 16/03/2018
modelos ventindo versace

O mundo da moda está caminhando para um futuro completamente consciente e sustentável. Quando grandes empresas se pronunciam a respeito de trabalho escravo, sustentabilidade e cruelty-free, a mensagem que isso passa é capaz de provocar mudanças que influenciarão todo o mercado da moda. Nesta semana, a Versace mandou um recado importante para o mundo, apesar de tardio: a marca não usará mais peles de animais em suas coleções.

Depois de Stella McCartney, Gucci, Armani, Chanel, Givenchy, Michael Kors, agora é a vez da estilista Donatella Versace anunciar uma posição diferente. "Pele? Estou fora dissoNão quero matar animais para fazer moda, não me parece certo", afirmou a estilista para a revista 1843, que faz parte do jornal inglês The Economist.

 

Uma publicação compartilhada por Versace (@versace) em

De acordo com a diretora executiva da Humane Society International (HSI), Claire Bass, o bem-estar dos animais está se tornando um assunto mais discutido na indústria da moda: "Versace é uma marca de luxo de grande influência que simboliza o excesso e o glamour e, portanto, sua decisão de parar de usar a pele mostra que a moda compassiva nunca foi tão tendência", disse em entrevista ao site da revista inglesa Harper's Bazaar

A Versace sempre foi um símbolo de glamour e ostentação com os seus casacos de vison, raposa e guaxinim, além de travesseiros de pele de coelho que custam 1,450 dólares, ainda disponíveis no site da marca. A notícia surge como uma surpresa, mas a empresa ainda não divulgou uma declaração oficial.

Foto: Divulgação/Instagram