Relembre a história do estilista francês Hubert de Givenchy

Designer morreu no último sábado (10), aos 91 anos

Publicado em 13/03/2018
Hubert e Andrey

Neste sábado (10), o mundo da moda disse adeus a Hubert de Givenchy. Ele foi o designer francês famoso pelo "little black dress" e o reconhecido estilo da atriz Audrey Hepburn em Breakfast at Tiffany’s (Bonequinha de Luxo)Givenchy definiu o conceito de elegância nas décadas de 1950 e 1960, vestindo as maiores personalidades da época, como Grace Kely, Jackie O., Jane Fonda, Elizabeth Taylor e Lauren Bacall.

Nascido em 21 de fevereiro de 1927, em uma família aristocrática na pequena cidade francesa de Beauvais, Givenchy foi a Paris em sua adolescência, logo após a Segunda Guerra Mundial. A sua história foi marcada pelo encontro com o designer espanhol Cristobal Balenciaga - o grande arquiteto da moda -, que se tornou o seu mentor. Foi juntamente com Balenciaga que Givenchy aprendeu o poder da construção e a força dos bons acabamentos com os materiais nobres. 

Givenchy fundou sua própria loja em 1952. O apreço pela elegância e a rigidez dos trajes foram logo  flexibilizados pelas suas ideias criativas. Logo, a sua forma fresh de enxergar a moda ganhou fama. "Le Grand Hubert" - como ele costumava ser chamado, devido ao seu 1,96 m de altura, tornou-se popular entre os clientes da alta costura, e seu rótulo logo seduziu os gostos de Gloria Guinness, Wallis Simpson e Farah Pahlavi.

No entanto, uma cliente em especial, cujo nome se tornaria quase sinônimo da maison, marcaria para sempre a história do estilista: Audrey Hepburn. 

Amizade com Audrey Hepburn

bonequinha de luxo

Diz a lenda que Audrey, uma estrela em ascensão na época, entrou em seu ateliê pedindo que Givenchy desenhasse os figurinos para o filme Sabrina (1954), mas o designer ficou frustrado, pois esperava a musa Katherine Hepburn, com quem havia trabalhado em “Uma Aventura Africana” (1951).

Por conta disso, falou à atriz que estava com muitas encomendas, trabalhando em novas peças e negou o pedido. Foi quando Audrey sugeriu usar peças que já estavam prontas. No final das contas, as criações do designer serviram perfeitamente nela, até mesmo para o roteiro do longa. 

Foram três looks que, posteriormente, se tornariam icônicos: um vestido usado com paletó ajustado, o inesquecível pretinho básico acinturado com alças presas nos ombros e um longo branco de festa. O figurino ganhou tanta notoriedade que a famosa figurinista Edith Head, que na época assinava o guarda-roupa da produção do filme, acabou levando o Oscar pelas escolhas de Audrey e Givenchy

Dessa experiência, foram feitos ainda outros filmes em conjunto: Cinderela em Paris (1957) e Bonequinha de Luxo (1961), sendo o último uma grande referência quando o assunto é moda no cinema.  Em 2006, um dos três vestidos pretos foi vendido por quase 1 milhão de dólares em um leilão na Christie’s. O original, costurado a mão, pertence ao acervo do estilista.

Além disso, desse encontro nasceu uma amizade profunda, que durou até a morte de Audrey, em 1993.

Em 2007, quando Givenchy passou alguns dias no seu quarto de hospital, ele produziu modelos pensando em Audrey, a mulher que tinha trazido a essência de seu talento à vida. Disso saiu um livro de croquis chamado "To Audrey With Love"

Uma era após Hubert de Givenchy 

Seu nome ficou tão grande na história da moda francesa que, depois de se aposentar em 1995, sua etiqueta se eternizou nas mãos de outros designers: John Galliano, Alexander McQueen, Julian MacDonald e Riccardo Tisci (que ficou mais de 10 anos à frente da maison).

Atualmente, a marca é assinada pela designer Chloé Clare Waight Keller, que vem tentando manter vivo o legado de Hubert de Givenchy. É dela a criação do vestido metalizado usado pela atriz Gal Gadot na recente premiação do Oscar.

Foto: Divulgação