Moda sustentável: marca produz lingerie de seda orgânica

Designer Nayara Costa usa matéria-prima de casulos rejeitados

Publicado em 20/09/2017
Três modelos exibindo underwear de nayara costa

A lingerie feminina ganhou holofotes. Devido à qualidade dos tecidos e das modelagens, o underwear passou para outro patamar. A jovem designer Nayara Costa é uma das profissionais da área que vem desconstruindo a ideia de que roupa de baixo deve ser chata ou vulgar.

Usando malha de seda orgânica e reciclada, ela cria peças íntimas com pegada cool e responsabilidade ambiental. E mais: sua lingerie de seda orgânica atende, de forma honesta, uma diversidade de formas - dos tamanhos PP ao GG e, também, sob medida.

A designer Nayara Costa

Assim como a história de muitos designers, Nayara também ingressou no mundo da moda de uma forma orgânica e natural. Ela cresceu no atelier da sua mãe, onde teve a oportunidade de experimentar, fazer protótipos e adquirir o domínio do processo produtivo. "Para criar é preciso repositório imagético e técnico, e a profissão da minha mãe enriqueceu muito a minha vida, educou o meu olhar e me deu capacidade técnica para executar o que eu projeto".

Anos mais tarde, na faculdade de Design de Moda na Universidade Estadual de Londrina, ela descobriu novos interesses. "Levantei alguns questionamentos sobre sexo, o meu corpo e como me relaciono com ele. A roupa íntima possui uma ligação direta com esses elementos, foi uma descoberta pessoal e profissional", explica a designer que acabou criando a marca Nayara Costa como resultado de seu TCC. 

E o interesse pela seda também aconteceu de forma natural, já que o estado do Paraná produz os melhores fios de seda do mundo. "Usamos muita poliamida, mas a nossa matéria-prima principal é a malha de seda orgânica e reciclada. Sua elasticidade é excelente, deixa as áreas íntimas respirarem e o visual é lindo. É com certeza um pilar na identidade da marca". A malha de seda usada por Nayara vem de casulos rejeitados. 

nayara costa lingerie

A designer conta também que produz o tingimento desses tecidos de maneira artesanal e vegetal, gerando resultados singulares. "Tenho tingimento de eucalipto, erva-mate e até casca de cebola".

Recentemente, a sua trajetória sustentável foi reconhecida. Em julho deste ano, a designer participou do Ethical Fashion Show, considerado o maior evento de moda sustentável do mundo, realizado em Berlim. "Os critérios se baseavam no comprometimento e engajamento sustentável das marcas. Foi incrível participar, pois reforça a cultura da marca e nos projeta na mídia de uma forma muito interessante".

Além da responsabilidade ambiental, Nayara ainda revela que tem uma preocupação genuína sobre como as suas lingeries trabalharão a serviço das mulheres. "Eu busco desenvolver modelagens que valorizem a anatomia feminina, sem apertar, sem ter o objetivo de esconder ou levantar alguma coisa. Trabalho com cinco tamanhos (PP, P, M, G e GG). Buscamos uma grade justa e que respeite os tamanhos de corpos reais. No entanto, não dá para ignorar a peculiaridade dos corpos. Dito isso, eu sempre farei sob medida. Ninguém fica sem produto meu".

nayara costa

Nayara trabalha a partir do sistema slow fashion, sem se fixar em coleções específicas ou calendário de moda. Ela conta com a ajuda da sua mãe em toda gestão dos processos, além de uma profissional especializada em roupa íntima e o seu sócio Allan Rolim, responsável pelo design estratégico. 

A partir de outubro, as peças da Nayara Costa poderão ser encontradas em Curitiba, no Alma Flora Atelier e, em novembro, a designer inaugura o seu showroom/atelier em Londrina. Para conhecer melhor a marca e também fazer pedidos, acesse o Instagram Nayara Costa.

Por Mayhara Nogueira

Capa: Divulgação/Nayara Costa