7 atitudes para renovar a sua pele em 2018

Usar filtro solar e dormir melhor são alguns hábitos essenciais

Publicado em 02/01/2018
garota segurando flores nos olhos e sorrindo

Todos os dias estamos expostos a hábitos ruins e diversos agressores ambientais que contribuem com o envelhecimento precoce da pele. Raios ultravioleta, poluição, stress e má alimentação são alguns inimigos da sua beleza. Mas com pequenas mudanças de atitude, você irá sentir grandes mudanças na qualidade da sua cútis. 

Em entrevista ao site da revista Marie Claire, a dermatologista Valéria Marcondes - membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia - dá 7 dicas para você colocar em prática e renovar a pele em 2018:
 

USE FILTRO SOLAR

Apesar de ser um clichê, usar filtro solar diariamente é o segredo para manter a qualidade da pele a longo prazo. O produto ajuda a evitar o envelhecimento precoce, inflamação, melasma e até câncer. “O filtro deve ter proteção eficiente contra as radiações UVA e UVB, mas também deve proteger da luz visível e da Infrared. Esse protetor deve contar com filtros físicos, como o óxido de zinco e dióxido de titânio, associados a filtros químicos para aumentar o grau de fotoproteção."

CRIE UMA ROTINA DE CUIDADOS COM A PELE

Limpar, tonificar e proteger a pele são hábitos que precisam ser incorporados na sua rotina.  Além disso, adicione produtos personalizados que vão ajudar a manter a cútis ainda mais luminosa. “Consulte um dermatologista para prescrição de substâncias rejuvenescedoras como alfa e poli-hidroxiácidos, retinoides, vitamina C, ácido ferúlico, vitamina E, peptídeos, antioxidantes e fatores de crescimento. Eles colaboram muito para a hidratação, luminosidade e textura da pele.”

cuidados com a pele 2018

DIMINUA O AÇÚCAR

A alimentação também interfere na qualidade da sua pele. O açúcar, por exemplo, é um dos vilões não só da saúde, mas também da sua beleza. Em excesso, pode interferir no processo de glicação, quando as fibras de colágeno e elastina endurecem por reagirem com esses açúcares. “Com isso, elas perdem a questão da maleabilidade, flexibilidade e sustentação da pele. O acúmulo de AGEs (espécies avançadas de glicação) gera ação inflamatória e envelhecimento precoce de todo o sistema. O açúcar também está ligado, segundo estudos, ao aparecimento de manchas. Diminua o açúcar na dieta e fique também atenta aos carboidratos, que viram açúcar no fim da digestão."

PARE DE FUMAR

O cigarro faz mal à saúde e ainda induz o envelhecimento precoce da pele. As substâncias tóxicas presentes estão associadas à vasoconstrição periférica, o que diminui o fluxo sanguíneo para o tecido cutâneo e cabelos. “Isso traz consequências na perda da viço e luminosidade da pele, favorece o amarelamento do tecido e também há uma perda de firmeza por conta da oxigenação e nutrição diminuídas”.

cuidados com a pele 2018

PRATIQUE EXERCÍCIOS FÍSICOS

Durante a atividade física, toda a circulação é estimulada. “O sistema arterial (sangue que "alimenta" os músculos em movimento, por exemplo) aumenta seu fluxo e, consequentemente, o aporte de nutrientes e oxigênio para todos os tecidos, inclusive a pele. Os sistemas venoso e linfático também aumentam a velocidade de drenagem, retirando toxinas e diminuindo a retenção de líquidos. Isso se reverte na pele, deixando-a mais hidratada, corada e viçosa. A melhora da oxigenação das células contribui também para uma aparência mais saudável da pele".

DURMA MELHOR

Poucas horas de sono irão atrapalhar o reparo e regeneração da sua pele durante o período noturno. “Isso afeta a produção natural de melatonina, que também é parte da defesa antioxidante primária do nosso organismo”, explica Valéria.

Mas é necessário também ficar atenta à posição do sono. “O fato de dormir com o rosto de lado ou de bruços ajuda a formar rugas de dinâmica importantes, e que muitas vezes nos fazem envelhecer mais assimetricamente com demarcações mais profundas das linhas e das rugas. O ideal é dormir com a barriga para cima”.

cuidados com a pele 2018

CONTROLE O ESTRESSE

As descargas constantes de adrenalina e outros hormônios (como cortisol e prolactina) potencializam o estado inflamatório, diminuindo o tempo de vida e a atividade das células.

Foto: Reprodução/Pinterest